O Parque dos Sonhos é a maior das 12 estreias da semana

4295

Doze filmes estreiam nos cinemas nesta quinta (14/3), mas só os quatro americanos chegam em grande circuito. A dica é procurar pelos lançamentos brasileiros.

Com maior distribuição, “O Parque dos Sonhos” é novidade também nos Estados Unidos neste fim de semana, onde não há muitas expectativas para seu desempenho, na sombra do fenômeno “Capitã Marvel”. Escrito pela dupla Josh Appelbaum e André Nemec (de “As Tartarugas Ninja”), o longa curiosamente não teve o nome do diretor divulgado. Isto porque Dylan Brown, animador de “Os Incríveis” e diretor do curta “Festa-Sauro Rex” (da franquia “Toy Story”), foi dispensado da função após surgirem denúncias de comportamento inapropriado. E este não foi o único contratempo da produção, que trocou um dos dubladores, Jeffrey Tambor, após ele ser demitido da série “Transparent” sob acusações de assédio. Mas o filme, em si, é inofensivo, com uma mensagem sobre a importância da imaginação, que entretêm as crianças sem cair na condescendência.

Alternativa brasileira ao desenho, “Sobre Rodas” é uma opção infantil de temas mais complexos, pronta há dois anos sem encontrar espaço no mercado. Primeiro longa de ficção de Mauro D’Addio, a dramatização da amizade de um menino deficiente e uma garota determinada, que pegam a estrada numa jornada de aventuras em busca de um pai ausente, foi premiado no Festival do Rio e na versão infantil do Festival de Toronto (no Canadá) em 2017.

O segundo lançamento brasileiro que chama atenção é para um público bem diferente. O terror “Mal Nosso” é uma porrada visceral que supera limitações de orçamento com uma proposta bastante ousada, especialmente por ser trabalho de diretor-roteirista iniciante, numa história que combina trama sobrenatural com “torture porn” brutal – no que lembra o último Zé do Caixão, “Encarnação do Demônio” (2008). Curiosamente, a maioria dos críticos nacionais desconjurou. Só que o longa foi exibido em vários festivais internacionais – venceu o Macabro, do México – e converteu a imprensa mundial, virando objeto de culto. O prestigioso site Eye of Film, por exemplo, disse que Samuel Galli é um diretor “para ser acompanhado”. Além disso, todas as críticas compiladas no site Rotten Tomatoes (sem nota) são elogiosas.

Em compensação, o terror americano “Maligno”, que também chega aos cinemas, recebeu apenas 43% de aprovação no Rotten Tomatoes. Com a mesma premissa de “Sobrenatural” (Insidious), o filme do menino possuído por uma entidade maligna é o pior lançamento da semana.

Os demais títulos americanos em grande circuito são “Suprema”, que mostra a juventude da advogada Ruth Bader Ginsburg (Felicity Jones), importante figura histórica do feminismo – e hoje juíza da Suprema Corte – , e o mais recente thriller de Liam Neeson, “Vingança a Sangue Frio” – remake do suspense nórdico “O Cidadão do Ano” (2014) – , que teve seu lançamento ofuscado nos Estados Unidos por uma entrevista polêmica do ator. Ambos foram elogiados pela crítica americana, ganhando mais de 70% de aprovação. De fato, “Vingança a Sangue Frio” foi considerado um dos melhores thrillers de toda a fase vingativa de Neeson – isto é, desde “Busca Implacável” (2008).

A programação se completa com o novo projeto de arte de Jean-Luc Godard – não vamos chamar de filme, porque moleques do YouTube fazem similar, apesar do prêmio simbólico conferido pelo Festival de Cannes – , dois filmes argentinos e três documentários brasileiros. Desta relação, a produção argentina que não tem Ricardo Darín (enfim uma), “As Filhas do Fogo” ganha destaque por apresentar erotismo lésbico explícito e nada convencional. Obviamente, não é para todos.

Confira abaixo todos os trailers e sinopses das estreias desta quinta. E não esqueça de prestar atenção nos três documentários da lista, instigantes em suas propostas diferenciadas.

A jovem otimista e sonhadora June encontra escondido na floresta um parque de diversões chamado Wonderland, que é cheio de passeios e animais que falam. O único problema é que o parque está confuso e desorganizado. June logo descobre que o parque veio de sua imaginação e que ela é a única que pode deixar o lugar mágico de novo.

Lucas (Cauã Martins) é um menino que chega a uma nova escola depois de sofrer um acidente que o colocou em uma cadeira de rodas. Lá, ele se torna amigo de Laís (Lara Boldorini), uma colega de classe que sonha em conhecer o pai que a abandonou. Juntos, os dois iniciam uma jornada inesperada e decidem fugir de casa quando a jovem descobre o possível paradeiro do pai.

Ruth Bader Ginsburg (Felicity Jones) se formou em direito nas instituições mais prestigiosas do país: Harvard e Columbia, sempre como primeira aluna de sua turma. Mesmo assim, ela enfrentou o machismo dos anos 1950 e 1960 quando tentou encontrar emprego, sendo recusada pelos principais escritórios de advocacia. Na função de professora, ela se especializou em direito relacionado ao gênero, decidindo atacar o Estado norte-americano para derrubar centenas de leis que permitem a discriminação às mulheres. Anos mais tarde, ela se tornou uma das primeiras juízas da Suprema Corte dos Estados Unidos.

Nels (Liam Neeson), um tranquilo homem de família que dirige um caminhão removedor de neve, vê seu mundo virado de cabeça para baixo quando seu filho é morto por um poderoso traficante de drogas. Impulsionado pelo desejo de vingança e sem nada para perder, ele fará tudo o que por preciso para destruir o cartel.

Preocupada com o repentino comportamento estranho e violento de seu filho Miles (Jackson Robert Scott), Sarah (Taylor Schilling) inicia uma investigação por conta própria para entender o que está acontecendo. Mas o que ela descobre é que alguma espécie de força sobrenatural está agindo sobre ele, influenciando cada vez mais suas ações.

A história de Arthur (Ademir Esteves), um exorcista que usa a internet para contratar Charles (Ricardo Casella), um serial killer que precisa proteger sua filha Michele (Luara Pepita) de uma possessão demoníaca.

Marcos (Ricardo Darín) e Ana (Mercedes Morán) estão casados há 25 anos e seu relacionamento já não está mais funcionando. Quando seu filho deixa a Argentina para estudar fora, os dois decidem se divorciar. Porém, a vida de solteiro não é tão fácil quanto eles esperavam e Marcos acaba chamando Ana para sair com ele novamente.

Insatisfeitas com suas próprias vidas, três mulheres independentes se encontram por acaso, bem longes de suas casas, e começam a se relacionar de maneira poliamorosa. Quando percebem que estão livres daquilo que acreditam ser regras sociais possessivas, elas decidem formar um grupo cujo propósito é libertar outras mulheres que estejam passando pelos mesmos problemas.

Godard parte de montagens de imagens para refletir sobre aspectos do cinema e do mundo. Colando cenas de filmes, de reportagens, de vídeos caseiros e mesmo de desenhos, o cineasta aborda as funções do tempo e do espaço, utilizando em particular o caso das imagens sobre o mundo árabe de como são percebidas pelo mundo ocidental.

A rotina do ensino médio da Escola Estadual Doutor Alarico da Silveira, localizada no centro de São Paulo, é alterada por conta das eleições do grêmio estudantil que se aproximam. Durante este período é possível identificar como as consequências do processo eleitoral afetam as relações entre os alunos, assim como as eleições presidenciais, em proporções bem maiores, conseguem alterar a atmosfera de um país.

Em fevereiro de 2011, a mãe do diretor Cristiano Burlan foi assassinada em Uberlândia pelo parceiro. Isabel Burlan da Silva teve sua trajetória marcada pela violência e pela pobreza, assim como todo o resto da família. Este é o terceiro filme da série “Trilogia do Luto”, os anteriores abordavam a morte do pai e do irmão de Burlan. Aqui, ele busca reconstruir a imagem e a vida da mãe.